Agenda

Corridinho Português

Separando o africano do cigano
Do chinês, do indiano, ucraniano,
muçulmano, do romeno ou tirolês
Como vês
Sobra muito, muito pouco português, ó pá
Separando o cristão do taoista,
do judeu do islamita, do ateu ou do budista,
do baptista mirandês
Como vês
Sobra muito, muito pouco português, ó pá

E que tal juntar a malta numa boa
A um corridinho de Lisboa
Volta e meia e roda o par
Triste é quem fica a ver dançar

Separando o celta do visigodo,
O huno do ostrogodo, o romano do suevo, ou o mouro do gaulês
Como vês
Sobra muito, muito pouco português, ó pá

Se tu queres ainda separar o gay,
Da lésbica, do straight, da mulher, gente de bem,
Ou de quem sofre de gaguez
Como vês
Sobra muito, muito pouco português, ó pá

Refrão

Ora tenta separar o teu genoma,
tu tens tanto de Lisboa como de Rabat ou Doha,
tudo soma no que és
Como vês
Sobra muito, muito pouco português, ó pá

Se ainda te faz muita confusão
Vai, separa o fótão do protão, do electrão
Até desvaneceres de vez
Como vês
Sobra muito, muito pouco português, ó pá

E que tal juntar a malta numa boa
A um corridinho de Lisboa volta e meia e roda o par

Pois…

Político Antropófago

Crava a unha, carne, pele e osso
Ferra o dente sedente no pescoço
O político antropófago

Na tv, o banquete no palanque
Na régie, querem sangue, pedem sangue
E em casa num sarcófago

A senhora olha gulosa
P ́ra sua mulher a dias
Maria, Maria
A sua pele é tão macia


O ódio, a fúria espoleta
A gula a pernetas e manetas
O político antropófago

E, com gáudio, há quem se perfila
Se corta à fatia e mutila
E em casa num sarcófago

A senhora olha gulosa
P ́ra sua mulher a dias
Maria, Maria
A sua pele tão macia
Maria, Maria
Já se comia qualquer coisinha


É assim que marcham, carcomidos,
Arrastando as filhas e os filhos
Ao político antropófago

Num monte de restos são cuspidos
Amanhã, varridos e esquecidos
E em casa num sarcófago

Já marchava qualquer coisinha
Tenho um ratinho na barriga

Tratado de Paz

Quando a guerra acabar
Os líderes apertam as mãos
E na foto vão ficar
Muito amigos, muito irmãos
E a velha mãe no quarto
Chora pelo filho
E a jovem põe num saco
A roupa do marido
E a criança
Quer o pai
Quando a guerra acabar
Vai haver entendimento
Só de paz irá falar
Quem à guerra deu sustento
E assinam um tratado
Que ambos acordaram
No fim, será proclamado
Que todos ganharam
Mas sabemos
Quem perdeu
Nós sabemos
Quem perdeu

PLAYLIST OFICIAL DO ÁLBUM

Música

Álbum Estreia - Já disponíveL

Newsletter

Saiba em primeira mão!